Duas Meias

10351605_537234503088218_2401416277114382777_n

As corridas de montanha sempre reservam boas surpresas! Seja para reencontrar amigos de corrida de rua nas provas de montanha ou conhecer novos corredores de montanha.

1622201_537234959754839_7187596973058199236_n

Outras surpresas são as corridas de montanha que vamos estrear. Desta vez foram duas meias maratonas de montanha, mais precisamente corridas cross-country em estradinhas de terra com morros e mais morros.

10600635_537234836421518_3165764010841556148_n

A primeira foi uma prova noturna, O Rei da Montanha, realizada na região do Alto Tietê, Distrito de Sabaúna, em Mogi das Cruzes/SP. A segunda foi realizada numa floresta de eucaliptos, Corrida dos Eucaliptos, em fazendas no município de Santa Branca/SP.

21k noturna 4

A corrida O Rei da Montanha foi em um sábado às 19h30min, enquanto que a Corrida dos Eucaliptos foi no primeiro dia do horário de verão num domingo às 9h15min da manhã que por sinal estava um calor infernal.

eucaliptos

Houve variação nas distâncias percorridas, tanto pra mais na corrida O Rei da Montanha quanto pra menos na Corrida dos Eucaliptos. Sinceramente fiquei com a sensação de ter corrido muito mais em ambas… Certamente devido a escuridão na prova noturna e o calor escaldante durante a prova diurna.

imagem 125

Em ambas as provas o percurso estava bem sinalizado. Quanto ao terreno, apesar de não ter trilhas, nas estradinhas encontramos pedras, buracos, areia, galhos de árvores, terra fofa, curvas, aclives e declives. Então toda atenção, do inicio ao fim, foi essencial para evitar quedas.

imagem 112

Durante a Corrida dos Eucaliptos, para minimizar a perda de fluidos e aumento da temperatura corporal, bebi mais água e isotônico para repor líquidos e sais minerais. Durante o percurso busquei trechos protegido pela sombra das árvores e reduzi o ritmo.

imagem 135

As duas meias maratonas de montanha foram numa mesma semana. Os resultados foram bons considerando os desafios superados em cada prova. Medidas como atenção redobrada no ambiente e auto-observação garantiram, em cada prova, uma chegada segura.

Fotos: Alexandre Janotti e Wladimir Togumi.

Pico do Urubu

2013-07-162

Na expectativa da primeira corrida de montanha do ano, saímos ao meio dia em direção ao município de Mogi das Cruzes, São Paulo, que está situado entre a Serra do Mar e a Serra do Itapety.

2013-07-085

Em sua segunda edição a competição reuniu mais de duas centenas de competidores tendo como arena a Mansão Ágape. Tudo indicava uma prova de alto nível com a largada saindo de um terreno em declive, sentido Serra do Itapety, e tendo o ponto mais alto do percurso no Pico do Urubu a 1.147 metros de altitude.

2013-07-070

Após os costumeiros preparativos e aquecimento inicial seguimos para a largada, que ocorreu às três horas da tarde. Naquele momento final a ansiedade de alguns e descontração de outros se misturavam no olhar de cada competidor. Despedimo-nos com o desejo que cada um superasse seus limites sem esquecer-se da sua segurança.

2013-07-220

Com a largada em descida corri por quase 1 km, dando inicio a uma subida constante em estrada de terra por mais 1,5 km. Em seguida adentrei numa mata e desci uma trilha escorregadia. Para minha surpresa deixei a mata para trás saindo num campo aberto onde pude contemplar a grandeza da Serra do Itapety. Com o sol entre nuvens e subida constante, a temperatura aumentou. Aos poucos uma ventania soprava o calor daquela tarde de sábado. A partir deste ponto persisti numa caminhada compassada e forte, porque correr era praticamente impossível. A paisagem que ficava para traz compensou os 2 km de subida aonde a inclinação máxima do terreno chegou a 40%.

2013-07-180

Ao atingir o Pico do Urubu, retomei o fôlego e aproveitei para observar a cidade de Mogi das Cruzes e a Serra da Mantiqueira ao norte. O sentimento era de alegria e ao mesmo tempo de atenção, pois começaria uma descida constante de 4 km. Como não choveu o terreno estava menos escorregadio. Imprimi um bom ritmo mas no km 10 fui surpreendido com uma sensação de falta de energia. Desprovido de um gel energético reserva, reduzi o ritmo e avançei até o ultimo quilometro, que é uma subida, para completar os 13,2 km. De volta à arena, reencontrei os amigos para celebrar o desafio superado.

2013-07-159

Fotos: Fabio Andrade e Wladimir Togumi.