Treinão – Pedra Montada

Desta vez deixei de fazer o treino de final de semana nas vias urbanas e segui para o município de Guararema / SP.

Esta prova é denominada “treinão”, ou seja, aquela onde não se tem chip, marcação de tempos e classificação final. É um treino onde reforça que a competição será consigo mesmo.

O local deste “treinão” foi na região do Parque Municipal da Pedra Montada, com largada e chegada dentro do parque.

O percurso de 12 km seguiu por estradas de terra, somando um total de 663 metros entre ganho e perda de elevação, e altitude máxima de 755 m.

No final, o percurso da prova entra no parque, passa pela Pedra do Tubarão e termina na Pedra Montada, cuja sobreposição de duas pedras dá nome ao parque. As pedras chamam atenção devido ao tamanho e terem uma pequena área de contato entre elas.

Estima-se que a pedra de cima tenha 45 m3 e aproximadamente 50 toneladas. A pedra da base é maior e está parcialmente enterrada.

O parque abriga outras dezenas de pedras tão grande e pesadas quanto estas.

Um “treinão” que valorizou o percurso com a chegada na Pedra Montada.

Longão – Estradas Rurais de São José dos Campos

Seguindo a planilha para o penúltimo longão, no domingo bem cedo saí em direção ao Centro Comunitário Alto da Ponte, em São José dos Campos.

corrida-outdoor-3-mod

Basicamente o percurso seria na estrada do Sertãozinho, estrada da Walkillândia, rodovia Monteiro Lobato e estrada da Água Soca.

Com tudo que preciso para repor as energias, levei na mochila água, isotônico, carboidrato em gel, proteína em barra, salgadinho, bananinha e duas mexericas.

percurso11

As 6 horas em ponto saí no asfalto. Após ponte sobre o rio Buquira segui a esquerda em direção a estrada de terra do Sertãozinho.

Com objetivo principal de trabalhar a resistência, o desafio seria manter o pace médio, considerando as constantes variações de elevação.

No km 8,5 subi o Sertãozinho, concentrado para vencer aquele morro da estrada. Na volta segui pela estrada da Walkilândia até chegar na SP-050 Km 107, rodovia Monteiro Lobato.

Em cerca de 1,5 km alcancei o acesso da estrada da Água Soca, que sobe atrás do clube de campo Cisne Real Park. Sempre atento, o momento era buscar a marca de duas horas de corrida.

percurso1

Desta vez, o foco era tempo de treino e não distância percorrida. A ideia era treinar corpo e mente para aquele esforço.

O percurso se mostrou desafiador com ganhos e perdas de elevação somados em 1.500 metros numa distância de 38 km, e altitudes variando entre 560 a 680 metros.

A volta exigiu seguir pelo mesmo percurso e assim completar o longão em 4 horas de corrida.

green-826261_960_720

Que venha o último longão antes do Desafrio em Urubici.

Duas Meias

10351605_537234503088218_2401416277114382777_n

As corridas de montanha sempre reservam boas surpresas! Seja para reencontrar amigos de corrida de rua nas provas de montanha ou conhecer novos corredores de montanha.

1622201_537234959754839_7187596973058199236_n

Outras surpresas são as corridas de montanha que vamos estrear. Desta vez foram duas meias maratonas de montanha, mais precisamente corridas cross-country em estradinhas de terra com morros e mais morros.

10600635_537234836421518_3165764010841556148_n

A primeira foi uma prova noturna, O Rei da Montanha, realizada na região do Alto Tietê, Distrito de Sabaúna, em Mogi das Cruzes/SP. A segunda foi realizada numa floresta de eucaliptos, Corrida dos Eucaliptos, em fazendas no município de Santa Branca/SP.

21k noturna 4

A corrida O Rei da Montanha foi em um sábado às 19h30min, enquanto que a Corrida dos Eucaliptos foi no primeiro dia do horário de verão num domingo às 9h15min da manhã que por sinal estava um calor infernal.

eucaliptos

Houve variação nas distâncias percorridas, tanto pra mais na corrida O Rei da Montanha quanto pra menos na Corrida dos Eucaliptos. Sinceramente fiquei com a sensação de ter corrido muito mais em ambas… Certamente devido a escuridão na prova noturna e o calor escaldante durante a prova diurna.

imagem 125

Em ambas as provas o percurso estava bem sinalizado. Quanto ao terreno, apesar de não ter trilhas, nas estradinhas encontramos pedras, buracos, areia, galhos de árvores, terra fofa, curvas, aclives e declives. Então toda atenção, do inicio ao fim, foi essencial para evitar quedas.

imagem 112

Durante a Corrida dos Eucaliptos, para minimizar a perda de fluidos e aumento da temperatura corporal, bebi mais água e isotônico para repor líquidos e sais minerais. Durante o percurso busquei trechos protegido pela sombra das árvores e reduzi o ritmo.

imagem 135

As duas meias maratonas de montanha foram numa mesma semana. Os resultados foram bons considerando os desafios superados em cada prova. Medidas como atenção redobrada no ambiente e auto-observação garantiram, em cada prova, uma chegada segura.

Fotos: Alexandre Janotti e Wladimir Togumi.