Parece que foi Ontem

Parece que foi ontem, golpeado duas vezes, no mesmo momento. Quase knockout. Respirei fundo, me levantei. Em recesso, pedalei muito. É verdade que várias vezes sem um destino final, apenas fui em frente.

Parece que foi ontem, revisitei caminhos antes percorridos. Busquei novas direções. No início, entre acertos e desacertos, andei perdido. A cada dia, ecoando novos rumos e destinos. Exploro minha sensatez. Ainda acertando o prumo.

Parece que foi ontem, uso máscara como um desgarrado. Após nove meses, não preciso mais me sufocar com algumas “máscaras”. Enquanto outras percebi que são bem dispensáveis nessa transição planetária. 

Parece que foi ontem, continuar atento a turbulência ao redor. Cuidado! Cuidando dos próximos. Tudo parece desconexo. Por vezes abatido, procuro um novo alento. Continuo a pedalar, buscando novos panoramas.

Eita Bicho Estranho…

… Esse tal de cavalo selvagem. Parece bicho homem, sensível e bárbaro. Muitas vezes de emoções fronteiriças, da cólera indomável ao amor sagaz. Impetuoso, corre livre até ser arrebatado pelo cansaço. Aparentemente esgotado é sem dúvida um corredor nato. Corre rápido e mais rápido, para ganhar de si mesmo. Ainda aprendendo a controlar as forças que tem. No tempo da teimosia vem a sensatez a galope. Percebe que a liberdade é efêmera. Assim, atado àquela grande árvore do mundo…. Parada obrigatória para refletir sobre as transgressões, nem de todo mal são vezes contraditórias, algumas fortuitas e poucas irrefreáveis. Uma luta constante para cavalgar na orbe do bem. Ao trotar busca o comedimento entre a alegria e a tristeza. Ainda preso na grande árvore tenta confessar porque tem que levar aquele fardo. Pra falar a verdade, sente como é bom aquela sombra, o alimento da relva e os frutos que despencam do alto da folhagem da grande árvore. Que estranho aquela energia em tudo ajuntado. Afinal, dos sonhos a galope ecoa o magnetismo e fica fácil zurrar de si mesmo. Eita bicho estranho esse tal de…

Vassoura de Bruxa

Em tempos modernos peguei minha bike e instalei uma “vassoura de bruxa”. A magia está no ar.

Mais paciente no pedal desse mundo louco. A velocidade me alegra mas posso me dar mal se passar dos limites. A energia flui e quase sempre freio menos que acelerar demais. Na calma vejo os detalhes. O novo aparece em preto e branco e colorido. Vale a pena parar para ver o todo. A liberdade simples. Ir adiante sem olhar para trás. Equilíbrio constante para não se importar com os obstáculos e o desconhecido.

Nesses tempos onde a bruxa anda solta, é melhor estar equipado com esse novo acessório (risos) para ir adiante, traçar novos caminhos e objetivos.

Que nem Notas Musicais

Após pedalar por toda a orla, fomos em direção ao mercado. Acabei parando na praça para descansar e avistei uma ponte com seus transeuntes freneticamente indo de um lado para o outro. O engraçado que todo mundo passava com sua bicicleta. Ninguém a pé. Estranho mundo de uma ponte e seus bikers. No meu ouvido o rock & roll rolava solto. Na minha visão os ciclistas pareciam partituras. Eles lembravam notas de um riff que se repetia naquela agitada ponte. Entre idas e vindas, os ciclistas surgiam como acordes musicais. Algumas vezes pareciam improvisados. Em outros ecoavam com vigor até o clímax da música.

Kalanga

Kalanga nada mais é que sinônimo de veículo de duas rodas impulsionado com pedais, a popular bicicleta, bike.

Desde de tempos pueris, aprendi a me equilibrar e tentar bater meu recorde em velocidade. Sem noção do perigo, sobrevivi nas descidas dos morros fazendo de freio os pés. Já ralei inúmeras vezes no chão do asfalto e na terra. Como fazia graça para os amigos, com acrobacias, tomava aqueles tombos, saia ileso do susto e fugia de vergonha logo em seguida.

Depois, com equipamento melhor e juízo na cabeça, distancias maiores foram superadas, caminhos na natureza foram desbravados. Nada demais, mas o suficiente para treinar e se divertir. Outras atividades esportivas sempre foram e são prioridades. Nesse ínterim, ela ficou pelos cantos. Algumas vezes saíamos para um pedal urbano.

Agora de volta aos pedais…. Nesta nova categoria vamos abordar o mundo da bike e cicloturismo, com textos e fotos autorais. No momento apenas pedal urbano. Em breve, novas aventuras com a minha kalanga e amigos!

Na imagem acima temos uma paradinha em frente a uma construção histórica no cicloturismo em Cananéia, litoral sul de São Paulo.