Uma Baita Travessia

Logo no primeiro aclive, um mar imenso, azul e misterioso. Atentei a batida das ondas na encosta. Sim, na travessia do canal, água calma como uma lagoa e na costeira sul-leste da ilha, impera grandes ondas, fortes correntes marítimas e muitos naufrágios.

Do Borrifos, a caminhada em estradinha de terra se transforma em trilha de pedras e terra batida, alternando planos e desníveis, longe da encosta, agraciado pela sombra da mata e refrescante água doce nas cachoeiras da Lage, Areado e Saquinho.

Após algumas horas, a trilha sai da mata, se acolhe próximo a encosta no estonteante mirante do Bonete. Ali bem escondida, a comunidade caiçara do Bonete vive tranquilamente, onde se proseia com os caiçaras as histórias, lendas e mistérios da ilha.

No segundo dia, após bom descanso e café da manhã reforçado, seguimos na travessia subindo o Mirante da Barra para nos despedirmos do Bonete. Olhando para o lado sul da ilha, uma extraordinária vista da Ponta do Boi.

De volta a trilha, em pouco tempo alcançamos a praia das Enchovas. Admirável praia, deserta, por toda extensão literalmente revestida em pedras, até tocar o mar no canto oposto, onde as pedras se agigantam em belas formações para mar adentro.

Atravessamos um refrescante riacho para seguir, na margem oposta, a trilha em direção a praia de Indaiauba. Outra pausa, deste ponto a travessia se afasta da costa, segue picada na mata, atravessa charcos, entre aclives e declives dentro do jângal atlântico.

Após horas de travessia, pausa rápida na praia Vermelha e seguimos para praia Mansa e depois até o destino final, a praia de Castelhanos. Era tarde de sábado e rolava aquele futebol na areia da praia. Ficamos por ali mesmo apreciando aquele entardecer.

No dia seguinte exploramos a enseada de Castelhanos, do mirante do Coração ao mirante, cachoeira e praia do Gato. Inclusive na praia do Gato, debaixo das pedras, pudemos temer as águas agitadas e perigosas das marés e ondas fortes.  

No último dia, subimos a estradinha de terra em direção a balsa para voltar ao continente. Nos despedimos da comunidade caiçara de Castelhanos. Naquela manhã o mar estava bem calmo e a praia deserta, encoberta por um misterioso nevoeiro.

Aqui jás um Paquete!

Há horas na caminhada tranquila, encantado com os morros esverdeados, céu azul e mar sereno. Pura alegoria da natureza em seu estado simples e verdadeiro. O calor queimara a pele. Me escondo nas sombras dos arbustos e arvoredos. O refrescar é oportuno.

Então dou de cara com a Jabiraca. Me deleito sorrindo se o nome da embarcação foi dado pelo capitão do barco em galanteio a sua amada, isso é claro, sem ela saber disso. Tem coisas que nem o amor enxerga.

No ditado popular jabiraca é mulher feia, um estrupício para falar a verdade. A gente até passa vergonha em público. Também indica tudo que está velho, não serve para mais nada. Pode sim passar despercebido. Alguns vão achar chique, outros que está na moda.

O melhor mesmo foi atirar a mochila e cair no mar. Já de cabeça fria, olhando aquele naufrágio encalhado, me veio que o meio daria conta de tudo. Água salgada, marés, vento, sol e chuvas, fazem o serviço. O paquete se fará pó, e juntar-se-á areia fina.

Enselvado

Embrenhado na mata. Tudo a flor da pele. Em movimentos compassados, desviando do jângal cortante. Atento aos seres ocultos que rastejam no matagal escuro. Encoberto nas folhagens grossas, busco as frestas de luz. Vem do alto. Tudo verde, tons claro escuro. Natureza viva, esperança. Estimulo reconfortante, na caminhada calma. O verde acalma. Passo-a-passo, corpo e mente ativos, equilíbrio em terreno intocado. Na selva, gotejo. Assombrado em pesar meu estado finito. Seguindo em frente, rasgando a mata, entre espasmos musculares e ardume nos pés. Assolado pela dor. Afora energias boas para depurar os corpos. Sigo a luz na folhagem. Fecho os olhos, me transporto, leve em espírito. Capturo a energia do sol, me aqueço. Nas células da planta vejo espectros de luz, verde ás suas folhas. Como uma simbiose entre seres. Que movimento incrível, volito livremente nas copas mais altas, num revoar controlado. Indo além da mata escura. Driblo a densa folhagem, já me vejo bem acima, agora contemplando a imensidão em tons verdes. No absurdo da minha imaginação, extravagante, acordo descansado, e novamente enselvado.

Praias do Guaruru

Descemos a serra rumo ao litoral de Bertioga. Estacionamos ao lado do canal e nos aparelhamos para pegar a balsa. Do outro lado, aportamos em terras do Guarujá. 

Não pudemos deixar de apreciar a serra do mar, a grande muralha, entre nuvens. 

Aos pés das suas vertentes inclinadas, admiráveis quedas-d’água brotam das encostas até os cursos d´agua encontrarem os mangues e o Itapanhaú.

No canal de Bertioga, próximo ao Forte São João e São Luiz, as águas se confrontam para organizar restingas e pequenas praias na porção leste de Guarujá.

Neste trecho adentramos nos caminhos da Serra do Guaruru.

A trilha da Praia Branca começa ao lado do posto de pedágio da balsa. Este trecho é pavimentado para facilitar o acesso a comunidade caiçara da prainha Branca.

De pés descalços na areia branca caminhamos em direção a ilhota, que na maré baixa se liga a praia e ao costão rochoso.

Embaixo de um chapéu de sol paramos para apreciar a vista.

Seguindo na trilha da Praia Preta, em mata atlântica bem preservada, o caminho estava enlameado e escorregadio.

Entre subidas e descidas, o lamaceiro foi diversão e atenção.

No final da praia Preta as árvores refrescaram o nosso descanso.

No trecho final da trilha na mata, alcançamos a Praia do Camburi. De imediato avistamos a Ilha do Guará.

Como na praia Preta, a natureza selvagem domina o ambiente, mas nesta havia algumas moradias embrenhadas na mata.

Estas trilhas tem paisagens de tirar o fôlego, mas é preciso esgotar o dia até o entardecer para apreciar esta lindeza toda. 

Sexta-feira numa Comunidade Caiçara

Após aportar em águas tranquilas, a tarde trouxe vento terral e baixa-mar. 

Era tarde de sexta-feira na comunidade do Cruzeiro. Simplesmente fiquei paralisado com os tons azulados da vista do Saco do Mamanguá. Entre nuvens, o sol encobria o que estava por vir, o pôr do sol.

Como se o ventilador fosse desligado, o vento acabou. O calor já não era escaldante. Então chegara o momento de caminhar na areia molhada da praia do Cruzeiro e acompanhar como verdadeiramente tranquilo é uma sexta-feira nestas bandas.

Indolente era meu caminhar.

Assim chegou à tardinha, ainda de céu azul-alaranjado. As águas do mar recuaram, as marolas sumiram e a comunidade simplesmente curtia aquele pôr do sol. Os juvenis brincavam na lagoa salgada. Algumas poucas crianças se lambuzavam na lama de areia, olhando para eu como um ser de outro mundo. Alguns jovens e adultos ficaram à espreita para ver o entardecer.

O império da natureza, como sempre, trouxe mais um magnifico pôr do sol.

Um menino brincava com seu cachorro sem perceber o espetáculo a tempo, enquanto que outro parecia anestesiado com aquelas cores, do azul-alaranjado, claro, escuro e prateado se misturando nas águas e céu do Mamanguá.

Do outro lado, a lua no quarto crescente disputando atenção com o Pico do Pão de Açúcar. No relógio, nem dezenove horas ainda eram…. Assim é a sexta-feira na comunidade do Cruzeiro.

Linha Tênue

As vezes é preciso adentrar por mares e terras desconhecidas, sem saber exatamente onde começa e termina cada um deles. No mar sem fim, em dia de azul celeste, a vista se perde na linha tênue da terra verde.

As vezes é preciso subir nas alturas do chão elevado para ver a verdadeira dimensão das terras desconhecidas. Sem poder enxergar além do que o horizonte alcança, a imaginação vai além nas entranhas da terra verde.

Em terras devastadas pelos cépticos, caminhamos em direção crescente do amparo, beneficência e continência. Então de braços abertos agradecemos esta linha tênue entre o Céu e a Terra, de sutilezas, que vão além do que nossa vista alcança.

Pedra Ana Chata

Entre eucaliptos e campo aberto em aclive, adentramos na mata. Em constante subida, seguimos a direita na bifurcação em trecho mais inclinado. Logo deslumbramos a vista da pedra acima da copa das arvores. Em suas escarpas podíamos ver minúsculos pontos em movimento, eram os escaladores nas vias da pedra.

Atingimos a trilha principal após uma hora de caminhada e logo chegamos na entrada da gruta. Pelas entranhas da pedra, atravessamos a curta passagem e atingimos um patamar rochoso. Desse ponto, à visão do Baú e mais um escalador subindo a pedra.

Em seguida atravessamos trechos com barras, grampos e escadinhas de ferro encravados na rocha. Então fizemos um desvio a esquerda, antes de chegar no topo, para apreciar a vista na ponta do lado oeste da pedra. Na volta paramos na “janela em U” para apreciar a vista.

Finalmente atingimos o topo da Pedra Ana Chata a 1.670 metros de altitude. O contentamento é sempre bom com a paisagem que se expande numa visão ampla. Na ponta leste da pedra temos a magnifica perspectiva do Baú visto de lado.

Para completar o espetáculo, ainda temos a vista do Vale do Paiol ao lado, o município de São Bento do Sapucaí bem ao fundo e toda a serraria do sul de minas.

Esta trilha, a partir do estacionamento Chico Bento, tem a distância total de 5 km. Com paradas na subida e descida, registramos um total de 3 horas, sem contar o tempo em cima da pedra.

Nuvens Brincante

A brincadeira esconde-esconde é antiga nas escolas de educação infantil. Na montanha, quando chegam as nuvens, como crianças, brincam com os montanhistas. Logo, escondem as montanhas por um instante ou os picos por dias sem fim.

Em determinadas estações do ano ou locais mostram que são tormentas chegando. Por hora, causam preocupação e não é hora de brincadeiras.

Mas o bom mesmo, é vê-las passando, se misturando e dissipando num movimento frenético. Como criança, as nuvens brincam, correm pelos ares e revelam a beleza das montanhas.

Cadê o Caminho?

Sabe quando você já caminhou muito, muito mesmo. Está cansado. Por isso, uma paradinha para um gole d’água. Assim você olha pra cima e vê aquela gigantesca montanha. Parece que não tem como subir até lá, no topo.

Cadê o caminho? Está logo ali, atrás daquele arbusto, entre as pedras. Não se engane, depois muitas escalaminhadas e uso de cordas nas partes íngremes. Difícil até o último passo rumo ao cume.

Que alívio. Mais um desafio superado ao lado da alegria momentânea, humildade sempre e paciência com mais frequência que o desejado. Logo atrás vem a determinação. Parada obrigatória para o momento de contemplação e gratidão.

As vezes me desvio do caminho, mas logo volto. As vezes perdido e indeciso, penso que está logo ali, a trilha, o caminho, a resposta, a verdade, o momento presente. Respiro, sorrio, é lá vem ela, silenciosa resposta. Logo, de volta no caminho, sigo em frente (na vida).

Ar Puro

Ar fluido

Acordei revitalizado após longa e extenuante caminhada. No topo da montanha, saí da barraca para apreciar aquele sol animado. Me espreguicei em cada músculo. Dei alguns passos. Ainda meio cambeta, fiz o corpo pegar no tranco.

Ar ativo

Pensei, pare de viajar tanto. Respirei fundo, lento e ritmado. Instantaneamente tudo ficou mais claro. Estava rindo como criança. Raciocínio, reflexo e memória refinados.

Ar renovado

A paisagem era de cinema, cintilante. Um grande sol sobre as nuvens, completamente acima das montanhas. Havia um calor aconchegante e ar fresco.

Ar manifesto

Os raios do sol matinal cortavam a minha pele. Me sustentei com vitamina D. Tudo parecia descomplicado. A mente estava arejada.

Ar da vida

Tentei não pensar em nada. Meu espirito saudou a natureza. De olhar fixo no horizonte veio o sentimento de gratidão. Estava contente por apenas respirar.

Ar puro

A liberdade justa é como respirar o ar puro. A depressão e irritabilidade perecem sem deixar rastros. Santo remédio esse ar puro.