Um Homem e uma Montanha

P1040147 (Large)

“Atualmente todos vivemos em um mundo dominado pelas máquinas. Quase não restam em nosso deteriorado planeta espaços livres, onde possamos esquecer nossa sociedade industrial e testar, sem sermos incomodados, nossas faculdades e energias primitivas.

Em todos nós se esconde uma saudade do estado primogênito, com o qual podíamos calibrar-nos com a natureza e enfrentá-la, descobrindo a nós mesmos.

Aqui está basicamente a razão de não haver para mim uma meta mais fascinante que esta: um homem e uma montanha.”

Reinhold Messner

Anúncios

Pernoite na Macela

P1070844 (Large)

Como todo ano, começamos com as trilhas fáceis e por isso, não menos belas que as mais difíceis. Escolhendo a dedo um final de semana com lua cheia, seguimos para Cunha em direção a Pedra da Macela.

P1070878 (Large)

Na rodovia Cunha – Paraty Km 66 saímos por uma estrada de terra ladeada por sítios. Após 4 km chegamos ao portão de FURNAS que mantêm no cume uma antena retransmissora. Deste ponto é proibido o acesso de veículos particulares.

P1070897 (Large)

Mochilas prontas! Água suficiente para um dia. Roupa de frio de menos, comida demais e um bom vinho. Ótima previsão do tempo. Então, por uma estrada pavimentada seguimos 2 km de subida.

P1040433 (Large)

Hora antes do crepúsculo, o céu anunciava o pôr do sol de uma lado e a lua cheia do outro! Espetáculo a parte foi o nascer do sol atrás da Ilha Grande. O jeito foi parar tudo e contemplar cada momento.

P1040418 (Large)

No topo a 1.840 m de altitude, a paisagem pode ser apenas um mar de nuvens. Entretanto, com um céu de brigadeiro, abriu-se uma vista espetacular das montanhas de Cunha, a histórica Paraty, Angra dos Reis, Ilha Grande e suas baías e ilhas.

P1040432 (Large)

Boa semana!

P1070827 (Large)

Igaratá 23K

P1050406 (Large)

A própria organização descreve a prova Igaratá 23K como uma corrida não tão perto de São Paulo e nem tão longe, com uma distância não tão longa e nem tão curta, num percurso não tão fácil e nem tão difícil.

P1050402 (Large)

Então se é assim fomos conferir in loco. Realmente uma prova para amantes da corrida em percurso misto, com asfalto, estradas de terra, muito morro e trechos margeando as águas da represa Jaguari.

P1050413 (Large)

A largada da praça central de Igaratá desceu por uma estrada sinuosa até encontrar o inicio da subida em direção ao Morro Azul. O asfalto deu lugar a uma estradinha de terra com longos trechos íngremes num desnível de 400 metros em 3.5 km de extensão.

P1050405 (Large)

A partir do topo, os próximos 6 km alternaram trechos planos e descidas constantes numa paisagem de campos verdes e bosques de eucaliptos. A estrada continuou descendo até margear a represa.

P1050407 (Large)

A 7 km do final apareceu uma nova subida aparentemente menor que aquela do Morro Azul. Hora de manter o ritmo e tentar concentrar na prova e não nos incômodos que começaram a surgir.

P1050400 (Large)

Um deles foi o calor. Com isso o jeito foi pegar mais de um copinho d’água nos postos de hidratação. Chegando de volta ao ponto onde a estrada encontra o acesso ao Morro Azul, começou o retorno a praça da cidade.

P1050415 (Large)

Apesar de faltar pouco mais que 3 km, o final reservara uma última subida que parecia não ter fim. Nessa hora, a euforia dos visitantes e moradores locais presenteou cada corredor na superação da rampa final até o portal de chegada.